Bem-estar animal: fazenda no Mato Grosso substitui marca fogo por brincos eletrônicos

637x325

 

Uma das formas mais tradicionais de identificação de bovinos é a marcação a fogo feita com ferro aquecido em brasa quente. Pelo seu baixo custo, a prática ainda é considerada por muitas propriedades como eficiente e permanente. No entanto, este sistema vem sendo revisto por produtores que estão atentos às boas práticas de manejo racional e ao bem-estar animal.
Com a proposta de diminuir o sofrimento do animal e tornar o manejo menos aversivo e reativo, a pecuarista Carmen Perez, da Fazenda Orvalho das Flores, que faz cria, localizada no município de Barra do Garças (MT), decidiu investir e abolir a marca fogo de sua propriedade.Desde dezembro do ano passado, o rebanho, composto por 1.500 matrizes Nelore e suas crias, recebeu brincos de identificação e brincos eletrônicos que substituem a marcação a fogo na carcaça. O projeto, ainda em fase experimental, ocorre em parceria com a Allflex – empresa líder mundial em identificação de animais – sob a supervisão do coordenador do Grupo de Estudos e Pesquisa em Etologia e Ecologia Animal (Grupo Etco), Mateus Paranhos da Costa.
“Fizemos um experimento no momento da marca fogo, com a gravação em vídeo. Posteriormente, toda equipe assistiu e pôde perceber que é nítido o sofrimento animal neste tipo de manejo. Foi quando optamos por investir na brincagem ao invés da marcação tradicional”, explica Carmen Perez.
Para que as mudanças pudessem ocorrer, a produtora promoveu algumas ações simples e efetivas, como oferecer treinamentos para a equipe de peões. O manejo, por exemplo, atualmente é feito com bandeiras e sem gritarias, apenas para orientar o rebanho no curral. Além de preservar o bem-estar dos animais, a substituição da marcação a fogo por brinco de identificação permite identificar os animais mais jovens, como é o caso da Fazenda Orvalho das Flores. “Assim que é feita a primeira cura do umbigo, os bezerros recebem um colar de identificação, que ainda está em fase de testes e adaptação. Mas, já não precisamos submeter o animal a um manejo agressivo, de forma que ele não associa o curral a um local de agressão, já que há a memória negativa associada às pessoas”, salienta a pecuarista.
Pesquisas comprovam que a prática da marca fogo é dolorosa ao animal, sobretudo se for na cara. Segundo o professor Mateus Paranhos, o estudo do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), feito por Donald C. Lay Jr, apontou evidências concretas de estresse em vacas e bezerros após a marcação a fogo, além de forte sensação de dor.Outros estudos, em 1997, de Karen Schwartzkopf-Genswein e colaboradores, do Departamento de Agricultura do Canadá, mostraram que o local da marca a fogo fica quente por até 168 horas, indicando inflamação local e dano à pele. Entre os estudos mais recentes estão o da pesquisadora americana Cassandra Tucker, que, em 2014, identificou que a dor produzida pela marca a fogo pode durar até oito semanas, quando também ocorre a cicatrização da queimadura.
“A pecuária vem cada vez mais adotando tecnologias que tornam a atividade mais produtiva e eficiente. Substituir a marcação a fogo pela brincagem, além de reduzir o sofrimento do animal, que impacta diretamente na qualidade da carne, oferece ao produtor uma importante ferramenta de gestão do seu rebanho. Por isso, apoiamos o projeto da Fazenda Orvalho das Flores, que vem obtendo resultados muito interessantes com essa substituição”, destaca o ogerente comercial da Allflex, Ivo Martins.
Entre as vantagens da utilização de brincos no lugar da marcação a fogo estão a automatização da coleta de dados, redução do tempo de trabalho e da ocorrência de acidentes, menor contato com os animais, diminuição de estresse – tantos para os animais como para o homem – e menos contusões dos animais nas diferentes fases de manejo e na carcaça. “Outro fator positivo é que não há erro na coleta de dados e na transmissão. Se feito de forma manual, acabávamos perdendo informações importantes. É um investimento que facilita o gerenciamento da produção”, enfatiza Carmen Perez.

Fonte: Attuale Comunicação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *